Quer potencializar os seus lucros?

Seja parceiro Venda ERP

FINANÇAS PESSOAIS X FINANÇAS EMPRESARIAIS

FINANÇAS PESSOAIS X FINANÇAS EMPRESARIAIS

Criar uma história de sucesso em uma empresa é uma tarefa árdua, que engloba vários aspectos importantes. Desde um plano de negócios, passando por desenvolvimento dos produtos, estratégias de marketing, prospecção de clientes, entre muitas outras. Um dos maiores temores dos empresários é com relação ao fôlego que ele precisará ter para segurar os momentos difíceis, sobretudo do início do negócio, que certamente virão. É aí que surge o embate: Finanças Pessoais x Finanças Empresariais.

Saiba diferenciar

Em um período em que muito provavelmente a empresa ainda não irá gerar receita suficiente para se manter e que certamente ainda não foi possível a captação de possíveis investimentos, é um movimento muito natural o empreendedor cometer um erro básico: misturar finanças pessoais e finanças da empresa.

Para que isso seja evitado, tudo começa com um planejamento financeiro adequado. É preciso estipular os gastos, inclusive com impostos e taxas. Desta forma, será possível manter um fluxo de caixa da empresa e ter controle do que são suas despesas recorrentes. Aí também vem a importância fundamental de segregar a conta corrente dos sócios com a conta da empresa. Outra questão é também manter o valor correto dos dividendos que podem ser distribuídos.

Estabeleça valores de trabalho e divisão dos lucros

É altamente recomendado que você estabeleça um valor de pró-labore para que você tenha uma retirada mensal. Isso vai influenciar na relação entre finanças pessoais x finanças empresariais. O pró-labore vai ser definido de acordo com a sua necessidade, de quanto você quer contribuir com o INSS para fins de aposentadoria também. É importante que você tenha um valor pré-estabelecido, assim como também você pode definir um valor de dividendos que você vai ter retirado mensalmente.

Outra dica importante é você ter uma constante avaliação de remuneração de parentes. Quando estamos falando de uma empresa familiar, você pode ter parentes trabalhando com você e a remuneração desses parentes alcançar valores superiores ao mercado e aí você tem que equilibrar e se perguntar: faz sentido o valor que ele está recebendo pela função que ele executa? E também se você não consegue contratar um profissional e esse profissional cuidar de atividades dentro da sua empresa a um custo menor.

Preciso ter uma conta bancária para a empresa?

Imaginam qual a primeira pergunta que as pessoas fazem quando vão falar de finanças pessoais x finanças empresariais? É preciso ter uma conta corrente em nome da empresa? Bem, a resposta é sim! Apesar de não ter uma legislação que determine isso, isso é muito recomendado. Justamente para que você possa segregar a pessoa física e a pessoa jurídica, que é a empresa.

Todas as transações que passam pelo extrato devem ser identificadas, qual o cliente, qual a nota fiscal, qual o serviço que foi prestado, então é importante para ter esse controle do seu dia a dia e manter a sua empresa em dia.

Outro motivo para você ter uma conta corrente em nome da empresa é a questão da privacidade. Para que o contador faça o registro da contabilidade da sua empresa corretamente, é preciso que você envie os extratos da conta corrente para ele e se você enviar o extrato da pessoa física, além de ter essa confusão sobre o que é empresa e pessoa física, você também terá a questão de compartilhar seus dados pessoais com um terceiro, que talvez não seja a melhor opção.

Como a contabilidade pode ajudar?

Uma vez que você tem a contabilidade em dia, você consegue ter uma visão melhor da sua empresa e consequentemente balancear melhor finanças pessoais x finanças empresariais. 

É comum você ver empresas em estado inicial, que ainda não estão gerando receita suficiente e os sócios têm uma retirada recorrente e não sai como lucro, então no final do ano é necessário um tratamento específico dessa retirada.

Quando um sócio de uma empresa retira valores superiores aos lucros que seriam possíveis, ele tem que tratar isso como dividendos ou como mútuo, que é um empréstimo que a empresa fez para o sócio e isso tem suas implicações. Quando a empresa faz o mutuo para um sócio, ele precisa declarar no imposto de renda dele da pessoa física. Isso pode impactar na avaliação de crédito.

Deu para perceber que não é tão difícil lidar com as finanças pessoais x finanças empresariais sem misturá-las, certo? Então, comece agora mesmo!

Com um pouco de organização, você vai ver as vantagens que essa prática pode trazer tanto para sua vida financeira quanto para o seu negócio.

Compartilhe essas dicas com seus amigos empreendedores usando os botões no final do artigo.

José Moura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.